terça-feira, 26 de abril de 2016

Ao Espírito Santo




Este amor que carrego,
Foste tu,
Quem o concebeu.

As preces e orações,
Que não se fizeram,
Chegaram a um lugar,
Onde moras,
Que nunca vi.
Chegaram aos céus,
Ouviste-nos os desejos,
Devo-te-o por isso,
A ti.

Este amor que carrego,
Foste tu,
Quem o concebeu.


[Obrigada.]




Ao filho




Este amor que carrego,
És tu.
Deixei de ser eu.

Num amor distinto,
Mais profundo e delirante,
Gerei-te dentro de mim,
Numa esperança,
Quase vã.
Criei-te num útero vivo,
Desconhecendo-te o pulso,
A tua chegada,
No amanhã.

Este amor que carrego,
És tu.
Deixei de ser eu.


[És nosso. Somos teus.]



Ao pai




O amor que carrego,
Foste tu quem me o deu.

Foram os teus beijos,
Antes de adormecer,
Os corpos arrebatados,
Numa noite sem calor.
Foi naquele momento,
Que nos amámos,
Em que desconhecíamos,
Conceber.

O amor que carrego,
Foste tu quem me o deu.


[É nosso.]