quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Nunca sonhes

Abby Kroke


Não sonhes.
Não ouses sonhar.
Nunca efabules sobre o que não tens.
O que não está ao teu alcance ter.
O que não depende de ti ter.
Assim se desenham tragédias sem fim.
Desgostos de vida.
Desgostos de amor.
Pior: desgostos com amargor.

Se nunca sonhares,
Se nunca ousares sonhar,
Também não cairás.
A vida levar-te-á em braços mansamente.
Soprará brisas.
Não tormentas.
Se não sonhares,
Se nunca quiseres conhecer a luxúria de sonhar,
O universo não conspirará.
Não te devolverá espinhos num caminho que fizeste sem rosas.
Sem rosas.
Por certo.
Sem rosas.

Mas quando não se sonha,
Quando não se ousa,
Quando não se luta,
Quando tudo chega.
Não existirão espinhos,
Mas, por certo,  não existirão rosas.
Que mais podias esperar?
Por isso não sonhes.
Nunca sonhes.
Mata à nascença a crença em algo que não terás.
Mata a chama.
Mata o sonho.
Aprende apenas,
A viver.
Aprende a ser aquilo que os outros,
Querem eles próprios,
Ser.



segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

35



Aos 35 está-se melhor que aos 30, que aos 25, que aos 20, que aos 15... percebem a ideia.

[Tinha um texto tão longo sobre resoluções para os 35 anos e não sei quê, mas para quê? São 35, assentam-me bem, acho que vai ser um ano de merda, que já começou mal, mas adiante. São 35, estou melhor que com 34 e isso já não é mau.]



segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Não era suposto



Eu sei que não era suposto dizer isto ao dia de hoje...


Mas eu nunca curti muito David Bowie.






terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Rarefeito





                                                                        O ar rarefeito.

                                                                        Alguém desfeito.

                                                                        Duas vozes moucas.

                                                                       O ar morto do mar.

                                                                       O despeito.                                                                    
                                                                     
                                                                       Alguém que sofre.

                                                                       Mas recusa abrir o peito.