sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Paranóia




Vês sombras e coisas que se mexem num ápice mesmo em frente às retinas dos teus olhos. Correm, fogem, do teu campo de visão e ficas a pensar que viste mas não viste. Pensas que estás louco e que viste mas não viste coisas que realmente existem. Mas se existem então viste mesmo o que pensavas que não viste que viste. Todos te tentam convencer de que não viste essas coisas. Que estás louco e sempre o foste. Acreditam e convencem-te a acreditar que viste e ouviste coisas que não existem e que não viste nem ouviste. E tu já nem sabes em quem acreditar. Acreditas primeiro em ti depois nos outros e de novo em ti até que vence a opinião dos outros. Entre acreditar e não acreditar que viste o que viste, que ouviste o que ouviste e que sentiste o que sentiste, já te baralhaste todo e já não sabes de novo em quem acreditar. Sentes conspirações e burburinhos nos ouvidos que te chegam à cabeça mas tentas acreditar que tudo são fantasias e que o que ouviste afinal não ouviste e que podes estar mesmo a enlouquecer no meio desses murmúrios. Já não te querem fazer acreditar que estás a inventar histórias e dizem-te que afinal está tudo na tua cabeça e enganam-te o tempo fazendo-te acreditares em coisas que eles agora efectivamente dizem ser verdade mas tu já não queres acreditar. Baralham-te mais uma vez e dizem-te que  afinal as mentiras são verdade e que as verdades são sempre mentiras. Misturam tudo e juntam palavras desordenadas e imagens abstractas para te dificultarem o raciocínio. Quando te sentem a escapar do labirinto espetam mais argumentados desorganizados e mais ideias descabidas e voltam a falar-te das coisas que não vês mas pensas que sim e dos sons que não existem mas dizes que ouves. Baralham tudo outra vez, sapateiam em cima da tua confusão, espremem-te a razão e voltam a sacudir tudo aquilo em que acreditavas. Conseguem que te ponhas em causa em vez de colocares em causa os outros e eles e todas as coisas em que realmente acreditavas e passas mais uma vez por louco por não conseguires tomar decisões e errares sempre que as tomas. Fazem um gajo sentir-se perdido e estúpido e confuso quando é na cabeça deles que tudo está perdido e partido e desarranjado. Fazem sentir que o mundo dos outros anda todo bem menos o teu e que apenas tu estás cuspido de todo a lógica universal. Convencem um gajo que ver bem, ouvir bem, pensar bem e andar bem é que está errado e que o certo é gozar com a razão dos outros.





5 comentários:

  1. Os meus sinceros Parabéns pelo blog, à algum tempo que o sigo e gosto muito! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Patrícia!
      É muito bom quando, mesmo que aos poucos, os leitores se vão revelando.
      Eu também gosto de saber que me lê desse lado.

      Eliminar
  2. Escreves extraordinariamente. E acompanhas com fotos sensacionais.

    R.

    ResponderEliminar
  3. Oh R., se há pessoa que gosto de ter por cá és tu.
    Sempre, mas sempre, simpático de uma maneira que me parece honesta. Genuína.
    E eu gosto tanto disso.
    Obrigada, a sério!

    ResponderEliminar
  4. Tem sido um prazer ler o que escreves. Ficção ou realidade.

    Curiosa a forma como por vezes se encontram sitios onde nos sentimos bem. Este é, para mim, um deles.

    R.

    ResponderEliminar